Juiz não viu Condit apagar durante finalização no UFC Phoenix, diz Cowboy

Ag. Fight

  • William Lucas/Inovafoto

    Alex Cowboy comemora vitória sobre K.J. Noons no UFC Goiânia

    Alex Cowboy comemora vitória sobre K.J. Noons no UFC Goiânia

Embora incontestável, a vitória de Alex "Cowboy" Oliveira sobre o ex-campeão interino dos meio-médios (77 kg), Carlos Condit, não veio sem polêmica. Após finalizar o "Natural Born Killer" no UFC Phoenix, realizado no último sábado (14) em St. Charles (EUA), o fluminense revelou durante coletiva de imprensa, após a luta, que o adversário estava inconsciente em dado momento do estrangulamento que lhe concedeu a vitória.

Apesar de o embate ter sido claramente definido quando Condit sinalizou desistência com os três tapinhas, o americano passou muitos segundos sem apresentar qualquer tipo de reação ao estrangulamento, mas seu rosto estava escondido pela posição do corpo de Cowboy. Incerto sobre a situação, o árbitro Chris Tognoni permitiu que a luta continuasse, mas o brasileiro alegou que o adversário já estava inconsciente.

"Ele deu uma dormida e o juiz não parou. Eu troquei a pegada, botei a mão desse jeito e aí acabei de finalizar ele porque o juiz não parou a luta. Ele tinha apagado, foi e voltou. Só que eu relaxei, então tive que mostrar que ele estava apagado mesmo e estava dominado", revelou o meio-médio.

O UFC Phoenix foi protagonizado por um duelo de pesos-leves (70 kg) entre Dustin Poirier e Justin Gaethje. Em batalha aguerrida, o Diamante foi quem levou a melhor sobre o adversário, nocauteando o Highlight no quarto assalto.

Últimas notícias Ver mais notícias