Dirigente afirma que assalto à equipe do UFC não atrapalha metas no Brasil

Felipe Castello Branco e Lais Rechenioti, no Rio de Janeiro (RJ)
Ag. Fight

  • Ag. Fight

    Quiosque em que funcionários do UFC foram assaltados no Rio de Janeiro

    Quiosque em que funcionários do UFC foram assaltados no Rio de Janeiro

O UFC 224 foi realizado nesse sábado (12), no Rio de Janeiro, e apesar do sucesso do evento a equipe da maior organização de MMA do mundo passou por um sufoco às vésperas do show. Na madrugada de sexta-feira, alguns funcionários do Ultimate foram assaltados próximo do hotel e tiveram os documentos e pertences roubados. No entanto, mesmo com o crime que expôs a crise de segurança da 'cidade maravilhosa', David Shaw garantiu que a empresa não diminuirá o investimento que faz no Brasil.

Durante conversa com os jornalistas após o evento, o vice-presidente do UFC se referiu ao episódio como "trágico" e revelou que ficou triste com a situação vivida pela equipe da organização que trabalha no país. Além disso, Shaw ainda assegurou que um "bom samaritano" recuperou os documentos de quem foi lesado e que a história teve um final feliz, apesar de tudo.

"A resposta curta é não, não atrapalha os nossos planos em nada. Isso só nos faz trabalhar mais, precisaremos ser ainda mais atentos e ter mais medidas de segurança para melhorar a condição que precisamos dar para a nossa equipe. Nosso plano é que o Brasil continue com três eventos por ano, agora vamos ter um 'Contender Series', então, o investimento continua em alto nível. Não afeta de maneira nenhuma, é uma história triste, foi trágico, ninguém precisa passar por algo desse tipo. Toda a nossa comunidade aqui foi afetada de alguma maneira", garantiu o vice-presidente do UFC.

"É triste, porque nossa equipe brasileira trabalha muito duro para ter certeza que vamos entregar um produto incrível para os fãs e eles colocam muito orgulho e paixão no evento. Foi trágico. Alguns membros da nossa equipe falaram: 'David, eu peço desculpas pelo nosso país'. Mas, no final, conseguimos ver o verdadeiro espírito brasileiro. Não sei se todos sabem, mas tivemos um bom samaritano. Ele achou os passaportes, identidades, os documentos e nos devolveu. Essa história teve um final feliz e somos muito gratos, não só pela nossa equipe, mas por toda a comunidade no Rio e no Brasil", concluiu.

No assalto, os ladrões se passaram por clientes de um quiosque próximo ao hotel onde os lutadores e funcionários da organização estavam hospedados. Após fazerem alguns pedidos no estabelecimento, os homens armados roubaram os celulares, dinheiro e documentos da equipe do UFC.

Últimas notícias Ver mais notícias