Odair vê resgate da confiança no Inter e explica opção por Nico López

Marinho Saldanha
Do UOL, em Porto Alegre

Odair Hellmann vê o resgate da confiança interna e externa do Inter. Após a vitória por 3 a 1 diante do Vasco, o treinador comemorou o bom momento e ainda explicou a opção por começar a partida com Nico López como titular.

"Quero agradecer a direção, os jogadores, o torcedor que tem vindo aqui e nos apoiado muito. Eu disse no início (do ano) que isso, quanto mais este elo tiver forte, mais forte nós estaremos contra o adversário. Cumprimos um objetivo no primeiro terço do Brasileiro, faltam mais dois terços. Cumprimos bem de performance, entendimento de ideia de jogo e pontuação. Isso mostra um comprometimento excepcional de todos os jogadores, falei isso para eles. Uma organização defensiva, defender muito bem desde a primeira linha da frente até a última linha, isso te fortalece. Crescemos na parte ofensiva para equilibrar a equipe. Isso faz com que cheguemos agora nesta pontuação. Não chegamos a lugar algum, não ganhamos nada. O campeonato é longo, uma dificuldade grande, mas precisávamos resgatar a confiança de todos e resgatamos muito bem", afirmou.

O resgate da naturalidade, da confiança de tentar a jogada, tudo isso esteve na manifestação do técnico. Reflexo dos oito jogos de invencibilidade da equipe gaúcha.

"O atleta sem confiança não joga com naturalidade. Quer fazer a coisa, e ela não acontece. Natural, ele flui. O momento, a confiança. Quando se vive num clube dessa grandeza que passa pelos momentos que passou, resgatar isso é importante. As coisas podem acontecer com mais naturalidade. Antes as coisas eram mais tensas. Até o primeiro jogo do Brasileiro, aqui com o Bahia, o time foi bem mas foi assim, tenso. Hoje foi diferente. Foi uma evolução, um crescimento de todas as partes. Para continuar assim, temos que trabalhar forte para que tudo isso siga. Futebol é muito momento, resultado, e precisamos de regularidade. O ambiente positivo contamina, contagia, e vitórias trazem isso. Não podemos perder isso", completou.

O Inter construiu o resultado com gols de Nico López, Patrick e Cuesta. O uruguaio, aliás, foi novidade na escalação e forçou uma mudança de esquema. Do 4-1-4-1 para o 4-2-3-1 com a manutenção da consistência defensiva.

"Contra Corinthians e Sport , eles baixaram a linha de marcação. E daí precisa circulação rápida e alguém que faça essa infiltração por dentro. Fizemos muito bem isso com Nico até que eles fecharam os espaços. Daí fiz a variação. Treinamos isso desde o início do ano, foi usado em muitos jogos, em segundo tempo, por abertura de time, resolvi começar assim, nem com tripé, nem com meia. Iniciar assim foi um reflexo da segurança passada pelo time. Contra o Corinthians, abrimos essa variação e crescemos na partida assim. Hoje iríamos precisar abrir o Vasco, não quis esperar. Estudamos bem o Vasco e o Nico foi muito bem por dentro", explicou.

Com 22 pontos, o Internacional vai para o recesso do Brasileirão em quarto. Na volta, encara o Atlético-PR.

Últimas notícias Ver mais notícias