Lutadora do UFC terá de cumprir 30 anos de suspensão na Itália; entenda

Ag. Fight

  • Reprodução

    A lutadora italiana Mara Borella

    A lutadora italiana Mara Borella

A peso-palha (57 kg) do UFC Mara Borella corre o risco de voltar a competir em 2044. Condenada em 2014 pelo Comitê Olímpico Italiano a 15 anos de suspensão pela venda e distribuição de drogas em bares, boates e academias, a atleta violou a punição e recebeu um gancho adicional de 15 anos aplicado pela Agência Italiana Antidoping, no último dia 10 e que começa a contar a partir de 2029, ano em que se encerra a primeira sanção.

A primeira punição foi apontada pela violação do artigo 2.7 do código da WADA (Agência Mundial Antidopagem). No entanto, Borella voltou a competir e usar centros de treinamento no período da sanção, o que gerou o agravante de mais 15 anos em sua pena para qualquer competição regida pela entidade.

Isso a impede, por exemplo, de participar de torneios como as Olimpíadas ou campeonatos nacionais de esportes de combate. Curiosamente, a punição não a afasta formalmente do UFC, uma vez que a organização não se submete a esse órgão de controle.

Mara Borella foi a primeira lutadora italiana a vencer no UFC. Ela derrotou a brasileira Kalindra Faria, em 2017, após aplicar um mata-leão ainda no primeiro round. Aos 32 anos, a atleta acumulou 12 vitórias, cinco derrotas e uma luta sem resultado na carreira profissional como atleta de MMA.

Últimas notícias Ver mais notícias