Manifestantes venezuelanos fazem comício e pretendem queimar efígies de Maduro

Andrew Cawthorne
Em Caracas

Centenas de manifestantes se reuniram neste domingo para exigir a "ressurreição" da democracia venezuelana enquanto efígies do presidente Nicolas Maduro e de líderes da oposição eram preparados para serem queimados em uma tradição de Páscoa.

Apesar de milhões de venezuelanos se dirigirem para praias do Caribe e reuniões de família durante o período da Páscoa, os manifestantes estudantis têm procurado manter um movimento de quase três meses de protesto.

Após rali com pés descalços e uma marcha "Via Crucis" no estilo da caminhada de Jesus para a crucificação, os manifestantes se reuniram em uma praça de Caracas para uma manifestação. A Páscoa marca o dia os cristãos acreditam que Jesus ressuscitou dos mortos depois de ser crucificado.

"Nós vamos ficar na rua até termos a democracia de volta", disse o líder estudantil Djamil Jassir à Reuters em uma praça onde os manifestantes exibiam dezenas de vasilhas de gás e balas usadas como símbolos da repressão.

Protestos anti-Maduro desde o início de fevereiro levaram a violência matando pelo menos 41 pessoas, segundo dados oficiais. Os mortos foram de ambos os lados do espectro político do país.

Opositores do governo planejava queimar bonecos de Maduro e altos funcionários de várias partes do país. Os apoiantes do governo planejava fazer o mesmo com efígies de figuras proeminentes da oposição.

Últimas notícias Ver mais notícias