Casa Branca condena ataque terrorista contra revista francesa "Charlie Hebdo"

Washington, 7 jan (EFE).- A Casa Branca condenou nesta quarta-feira "nos termos mais fortes possíveis" o ataque terrorista contra a sede da revista satírica francesa "Charlie Hebdo", que deixou pelo menos 12 mortos, entre eles dois policiais e o diretor da publicação.

"Os Estados Unidos estão preparados para trabalhar com as autoridades francesas, como fazemos em várias áreas, para ajudá-las a realizar essa investigação", disse o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, em entrevista à emissora "MSNBC".

De acordo com Earnest, o presidente Barack Obama já foi informado do atentado e, por enquanto, a embaixada americana em Paris, próxima à sede da revista, não será fechada.

O porta-voz detalhou pouco depois à "CNN" que Obama se reunirá ainda na manhã de hoje com a equipe de segurança nacional e que o ataque ocorrido na França estará entre os temas do encontro.

Earnest afirmou que os EUA colaborarão com a França para determinar os responsáveis pelo ataque, descobrir a motivação e levar os culpados à Justiça.

Ao considerar o massacre como um "ato de violência", Earnest destacou que ainda não se sabe quem foram os autores do ataque, mas indicou que os EUA estão conscientes da estratégia do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) de recrutar combatentes estrangeiros e depois lançar atentados em seus países de origem.

Conforme o porta-voz, Obama não planeja por enquanto fazer uma declaração pública sobre o ocorrido.

Últimas notícias Ver mais notícias