Quem é Steve Stephens, procurado nos EUA por assassinato transmitido pelo Facebook

  • Reprodução/Facebook

    Steve Stephens afirma ter matado outras 12 pessoas

    Steve Stephens afirma ter matado outras 12 pessoas

A polícia dos Estados Unidos realiza uma busca nacional para prender o acusado de matar um homem em plena rua escolhido aleatoriamente e postar um vídeo do assassinato no Facebook.

O suspeito, Steve Stephens, gravou e postou outros vídeos em que diz ter matado ao menos 13 pessoas - e que tinha a intenção de matar mais gente.

A polícia diz ter indícios apenas da morte de Robert Godwin, de 84 anos, morto no domingo em uma rua de Cleveland, Ohio, quando voltava para casa após o almoço de Páscoa com a família.

Até agora, sabe-se pouco sobre o suspeito. Segundo a polícia, trata-se de Steve Stephens, de 37 anos, assistente social que trabalhava em uma unidade de saúde mental para crianças e que não tinha ficha criminal.

Acredita-se que ele dirigia um veículo esportivo creme ou branco. Para Calvin Williams, chefe de polícia de Cleveland, Stephens parece ter "claramente um problema".

Em um vídeo postado no Facebook após o assassinato, Stephens diz ter ficado "louco por um momento".

Outras postagens indicam que ele tinha dívidas de jogos de azar.

"Eu perdi tudo o que eu tinha por causa do jogo nos cassinos de Cleveland Jack (Ohio) e Erie (Pensilvânia)", ele escreveu em sua página, já deletada, no Facebook.

'Sempre fui um monstro'

No vídeo transmitido ao vivo de seu carro pelo Facebook, depois do assassinato, Stephens diz: "Está vendo, a coisa é, cara, que eu tenho 37 anos e toda a minha vida, cara, eu sempre fui um monstro".

"Sempre tive que provar a mim mesmo, sempre fui motivo de piada. Apenas matando, cara, e tudo isso por causa de alguém chamado Joy Lane", continua.

"Ela me colocou no meu limite, cara. Sabe, eu estava morando com ela, aí acordei na sexta-feira, e não consegui aguentar mais aquilo", acrescentou.

"Eu simplesmente saí e, sim, aqui estou, fazendo um massacre", ele diz, rindo.

No vídeo do assassinato, transmitido ao vivo, o suspeito se aproxima da vítima e pede que diga o nome da ex-namorada antes de atirar.

"Pode me fazer um favor", pergunta o atirador. "Pode dizer Joy Lane?".

A vítima diz: "Joy Lane".

Stephen então diz: "Sim, ela é a razão pelo que está prestes a acontecer com você".

Reprodução/Twitter
Robert Godwin, avô e pai de nove, foi vítima do atirador Steve Stephens

À rede de TV americana CBS News, Joy Lane, que está sob custódia da polícia, confirmou seu relacionamento "de vários anos" com Stephen, por meio de uma mensagem escrita.

"Sinto muito que tudo isto tenha acontecido. Meus corações e preces vão para os membros da família da vítima. Steve realmente é uma boa pessoa... ele é generoso com todos que conhece".

"Ele foi gentil e amoroso comigo e com meus filhos", ela escreve.

Em outro vídeo no Facebook feito pouco antes do tiroteio, Stephen também culpa a mãe. Ele diz ter contado à sua mãe que tinha "intenções suicidas" e planejava "matar algumas pessoas".

Ela "não ligou", segundo o suposto atirador, dizendo ainda que a mãe foi "quem criou este monstro" que ele diz ser.

"Estou cansado", acrescenta.

Sua mãe, Maggie Green, contou à CNN que viu o filho mais velho um dia antes do crime. Ele teria dito a ela: "se você me vir de novo, será um milagre".

Busca por suspeito

A polícia pediu aos residentes dos Estados de Ohio, Indiana, Michigan, Nova York e Pensilvânia para ficarem em alerta. Oficiais ofereceram uma recompensa de US$ 50 mil (R$ 155 mil) por informações que levem à localização de Stephens.

Segundo o chefe de polícia de Cleveland, Calvin Williams, o acusado do crime tem permissão para ter arma.

"Steve ainda está por aí em algum lugar... ainda estamos pedindo que se entregue, mas se não o fizer, vamos encontrá-lo", afirmou Williams.

Últimas notícias Ver mais notícias