Bolívia acusa grupo ligado ao PCC por assalto a joalheria que deixou 5 mortos

Em La Paz

  • Daniel Walker/Reuters

    13.jul.2017 - Policial faz segurança de joalheria assaltada em Santa Cruz, na Bolívia

    13.jul.2017 - Policial faz segurança de joalheria assaltada em Santa Cruz, na Bolívia

Cinco mortos, sendo um refém, três criminosos brasileiros e um policial local, assim como 10 feridos por tiros e dois detidos. Esse foi o saldo de um confronto armado registrado nesta quinta-feira (13) na Bolívia, após um roubo frustrado a uma joalheria.

"São cinco pessoas mortas: uma civil, um tenente (da polícia) e três assaltantes", afirmou o ministro de Governo (Interior), Carlos Romero, citado pelo jornal "El Deber", de Santa Cruz, 900 km a leste de La Paz, onde ocorreu o assalto.

O vice-ministro de Regime Interior, Carlos Aparicio, confirmou ao canal estatal de televisão TVB que os três criminosos abatidos pela polícia são brasileiros.

Romero informou que a mulher morta era funcionária da joalheria assaltada, que havia sido levada a um hospital depois de ser baleada.

A mulher foi tomada como refém e usada por um dos criminosos como escudo humano, quando o grupo tentava fugir do local, no coração econômico de Santa Cruz, a cidade mais povoada do país.

Dez pessoas feridas por tiros, entre civis e policiais, foram levados ao hospital. A polícia conseguiu capturar dois criminosos.

 

Romero relacionou a tentativa de assalto à ação da organização criminosa brasileira Primeiro Comando da Capital (PCC), envolvido em outros crimes na Bolívia, como o ataque à empresa Brinks em abril passado e antes disso a uma outra joalheria.

"O PCC é responsável pelo assalto à Brinks, à joalheria 'Império' e tentaram roubar a Eurochronos", a joalheria atacada nesta quinta-feira, afirmou o ministro de Governo ao "El Deber".

Os incidentes começaram quando um grupo de delinquentes tentou assaltar a loja, mas o segurança conseguiu alertar a polícia.

Os policiais cercaram o local, enquanto os criminosos tentavam fugir, fazendo vários funcionários da empresa como reféns para utilizá-los como escudos humanos, segundo imagens divulgadas por vários canais de televisão.

Houve troca de tiros entre os assaltantes e a polícia.

Após o assalto à Brinks, meses atrás, o governo boliviano anunciou que coordenaria ações com seus pares de Brasil e Paraguai.

Últimas notícias Ver mais notícias