Morre o Nobel da Paz chinês Liu Xiaobo

Do UOL, em São Paulo

  • AP

    24.jul.2008 - Liu Xiaobo em entrevista à agência AP durante os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008

    24.jul.2008 - Liu Xiaobo em entrevista à agência AP durante os Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008

Morreu nesta quinta-feira (13), aos 61 anos, o Nobel da Paz chinês Liu Xiaobo, vítima de um câncer de fígado. As autoridades da cidade de Shenyang, onde foi hospitalizado, confirmaram sua morte em um comunicado.

Em maio deste ano, na prisão onde estava desde 2008, Xiaobo foi diagnosticado com um câncer e só ganhou liberdade condicional para ser hospitalizado após saber-se que estava em estado terminal.

Na última quarta-feira (12), um boletim médico divulgado pelo hospital em que ele estava internado disse que seu estado era "estado crítico" após ter sofrido falência dos órgãos e choque séptico.

Liu havia pedido para ser tratado no exterior, mas o regime chinês não deu autorização para que ele deixasse o país.

Para muitos ativistas dos direitos humanos, as informações divulgadas a respeito de seu estado de saúde eram controladas pelo Estado chinês, que tinha interesse em mantê-lo hospitalizado sob custódia em desafio à causa que ele defendeu durante toda a sua vida, o direito individual de viver, de falar e a liberdade do controle autoritário e da censura estatal.

Ng Han Guan - 6.dez.2012/AP
Liu Xia segura foto dela e de seu marido, Liu Xiaobo

"Como as autoridades controlam todas as informações relativas ao estado de saúde de Liu Xiaobo, é difícil verificar a veracidade dos comunicados publicados pelo hospital na internet", disse à AFP Patrick Poon, diretor chinês da Anistia Internacional.

Muitos diplomatas defendiam que Liu pudesse fazer um tratamento fora da China, porém o governo chinês se opôs à ideia de deixá-lo sair do país, alegando que o seu estado de saúde o impedia de viajar e que ele estava recebendo o tratamento necessário.

O governo chinês divulgou vídeos mostrando médicos elogiando o tratamento médico dado ao escritor, porém muitos dizem que as divulgações eram realizadas sem a permissão de Liu e por motivos de propaganda.

Um defensor dos direitos humanos

Liu Xiaobo tinha 61 anos e era opositor do governo chinês. Considerado um dissidente, ele foi detido em dezembro de 2008 e condenado em 2009 a 11 anos de prisão por "incitar à subversão", após ter ajudado a redigir um manifesto político, conhecido como Carta 08, que pedia reformas democráticas, respeito aos direitos contemplados na Constituição chinesa e a realização de eleições livres.

Em outubro de 2010 ele recebeu o prêmio Nobel da Paz, que lhe foi atribuído "pela sua longa e não violenta luta pelos direitos humanos fundamentais da China". Como estava preso, ele não pôde receber o prêmio pessoalmente e foi representado por uma cadeira vazia.

Heiko Junge/Scanpix Norway/Reuters
10.dez.2010 - A cadeira vazia de Liu Xiaobo na cerimônia do Nobel, em Oslo

Para muitos chineses, ele era considerado um herói da democracia e durante todo o tempo em que esteve preso e doente, uma batalha de ativistas dos direitos humanos do mundo todo foi mantida contra a China.

Os simpatizantes que viam no governo chinês uma tentativa de tentar silenciar Liu para que seu legado desaparecesse se mobilizaram para tentar garantir os direitos que ele sempre defendeu, a liberdade de expressão e a garantia dos direitos individuais.

Petições e manifestações a favor da liberdade de Liu Xiaobo foram realizadas nos últimos dias de vida do Nobel da Paz.

Últimas notícias Ver mais notícias