Condenação de Trump a ódio e violência inclui 'supremacistas brancos'

Bedminster, Estados Unidos, 13 Ago 2017 (AFP) - A condenação do presidente americano, Donald Trump, à violência e ao ódio pelos confrontos de ontem em uma manifestação na Virgínia inclui "supremacistas brancos" - esclareceu a Casa Branca neste domingo (13).

"O presidente disse, da forma mais enérgica em suas declarações de ontem [sábado], que condena todas as formas de violência, fanatismo e ódio. Isso inclui, evidentemente, supremacistas brancos, neonazistas, o Ku Klux Klan e todo tipo de grupos extremistas", garantiu um porta-voz do Executivo.

"Fez um apelo à unidade nacional", completou.

Trump foi muito criticado por suas declarações, inclusive por membros do Partido Republicano, ao condenar a violência de "ambas as partes" nos distúrbios entre manifestantes da extrema direita e antirracismo registrados no sábado, em Charlottesville, na Virgínia.

No episódio, uma mulher de 32 anos morreu, quando um carro foi lançado nos ativistas que protestavam contra a marcha dos supremacistas brancos e nazistas.

Filha e conselheira do presidente, Ivanka Trump denunciou neste domingo "o racismo, a supremacia branca e os neonazistas", após as críticas ao pai.

"Não há lugar na sociedade para o racismo, a supremacia branca e os neonazistas. Todos temos de nos unir como americanos e ser um país unido", declarou ela, em uma série de tuítes.
Últimas notícias Ver mais notícias