No último Angelus de 2017, Papa lembra cristãos mortos em ataques no Egito

Na Cidade do Vaticano (Vaticano)

  • Tony Gentile/Reuters

    Papa acena para fiéis na praça São Pedro, neste domingo (31)

    Papa acena para fiéis na praça São Pedro, neste domingo (31)

Durante a última cerimônia do Angelus de 2017, o papa Francisco rezou neste domingo (31) pelas vítimas coptas de ataques terroristas ocorridos no dia 29 de dezembro.

"Exprimo minha proximidade aos irmãos coptas ortodoxos do Egito, atingidos há dois dias por dois atentados -- um em uma igreja e outro em um estabelecimento na periferia do Cairo. O Senhor acolha as almas dos defuntos, apoie os feridos, os familiares e a inteira comunidade, e converta o coração dos violentos", disse o papa.

Na ação terrorista, nove pessoas morreram na igreja em Helwan e outros dois morreram no pequeno mercado.

A minoria cristã copta tem sido constantemente alvo de atentados de extremistas islâmicos no Egito e, durante a viagem de Francisco àquela nação, em abril deste ano, ele se reuniu com expoentes e integrantes da religião ortodoxa.

Durante seu pronunciamento, o pontífice deu destaque ao papel das famílias na sociedade e enviou uma saudação àquelas que conseguem ter "uma vida digna".

"A missão para qual a família é orientada é criar as condições favoráveis para um crescimento harmônico e repleta de filhos, para que possam viver uma vida boa, digna de Deus e construtiva para o mundo. É essa a saudação que envio para todas as famílias hoje", disse o líder católico.

Em outro momento, o papa afirmou que "todos os pais são protetores da vida dos filhos, e não seus proprietários", tendo que ajudá-los a "crescer e a amadurecer".

Últimas notícias Ver mais notícias