Reino Unido expulsa 23 diplomatas russos em resposta ao envenenamento de ex-espião

Do UOL, em São Paulo

  • AFP PHOTO / PRU

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou nesta quarta-feira (14) a expulsão de 23 diplomatas russos em resposta ao envenenamento de um ex-espião russo em solo britânico. May responsabilizou o governo russo pelo ataque contra Serguei Skripal e sua filha --ambos estão hospitalizados em estado grave.

May afirmou ainda que o Reino Unido cortará os laços diplomáticos de alto nível com a Rússia e não enviará ministros ou integrantes da família real britânica para a Copa do Mundo. 

Skripal, 66, foi encontrado em 4 de março em estado crítico junto com sua filha Yulia em um parque em Salisbury (sul da Inglaterra), onde vivia há anos. Um policial que tentou ajudá-los também se encontra em estado grave.

Segundo a premiê, a expulsão dos representantes diplomáticos é a maior ação contra a Rússia desde o fim da Guerra Fria e irá afetar o trabalho da inteligência russa no Reino Unido durante muitos anos.

Em nota, a embaixada russa em Londres afirmou ter sido notificada da expulsão dos diplomatas e disse considerar "esta ação hostil como totalmente inaceitável, injustificada e míope". "Toda a responsabilidade pela piora das relações entre a Rússia e o Reino Unido são de responsabilidade da atual liderança política britânica."

Matt Dunham/AP
Polícia protege área em que o ex-espião russo Sergei Skripal foi atacado por agente nervoso

Bens russos congelados e entrada controlada

Theresa May afirmou que os diplomatas foram identificados como "agentes de inteligência não declarados". Eles terão uma semana para deixar o Reino Unido. De acordo com a premiê, o governo também vai aumentar a checagem de cidadãos russos que entrarem no Reino Unido.

"Eles trataram o uso de um agente nervoso de grau militar na Europa com sarcasmo, desprezo e em tom desafiador", disse May. "Não há outra conclusão diferente do que considerar que o Estado russo foi culpado pela tentativa de assassinato de Skripal e de sua filha --e por ameaçar a vida de cidadãos britânicos em Salisbury, incluindo o detetive Nick Bailey", disse a premiê, em referência ao policial hospitalizado.

"Isto representa o uso ilícito da força pelo Estado russo contra o Reino Unido", acrescentou. "Nós iremos congelar bens estatais russos onde quer que haja evidência de que eles podem ser usados para ameaçar a vida ou propriedade de cidadãos ou residentes do Reino Unido", afirmou a premiê.

Rússia quer amostra da substância para responder

Mais cedo, o chanceler russo, Sergei Lavrov, afirmou que nenhum progresso foi alcançado para resolver o impasse com o Reino Unido sobre o envenenamento de Skripal e de sua filha. "Há apenas retrocesso, nós não vemos nenhum progresso" disse. Lavrov afirma que a Rússia estará pronta para fornecer uma resposta ao Reino Unido dentro de 10 dias se Londres submeter um pedido oficial, em linha com a Convenção de Armas Químicas.

O impasse entre os dois países se intensificou na quarta-feira, depois que um prazo de meia-noite estabelecido pela primeira-ministra britânica, Theresa May, expirou sem uma explicação por parte do Kremlin sobre como um agente nervoso desenvolvido por militares soviéticos foi utilizado no Reino Unido.

(Com agências internacionais)

Últimas notícias Ver mais notícias