Extremistas exibem vídeo com jornalistas japonês e italiano sequestrados na Síria

Do UOL, em São Paulo

  • AFP PHOTO / SITE Intelligence Group

    Italiano Alessandro Sandrini, capturado na Turquia em 2016 e mantido refém na Síria

    Italiano Alessandro Sandrini, capturado na Turquia em 2016 e mantido refém na Síria

Um grupo extremista divulgou vídeos de um jornalista japonês e de um homem italiano mantidos em cativeiro na Síria, no qual eles pedem sua libertação, informou na terça-feira (31) o grupo de contraterrorismo SITE, que monitora grupos radicais.

Os dois homens, o jornalista freelancer Jumpei Yasuda e o cidadão italiano Alessandro Sandrini, aparecem em dois vídeos separados.  O SITE não informou qual grupo foi responsável pelos vídeos.

Os dois homens aparecem ajoelhados em frente a uma parede usando macacões cor de laranja, enquanto homens armados, vestidos da cabeça aos pés de preto, ficam atrás deles.

Acredita-se que Jumpei tenha sido sequestrado pela Frente Al-Nusra, uma ex-afiliada da rede Al-Qaeda, no norte da Síria em 2015. No vídeo, ele diz, em japonês, com voz tensa: "Meu nome é Umar. Sou sul-coreano. Hoje é dia 25 de julho de 2018. Estou em uma situação terrível. Por favor me ajudem imediatamente".

AFP/SITE Intelligence Group
Japonês Jumpei Yasuda foi sequestrado por extremistas em 2015

Não ficou claro por que ele se identificou como sul-coreano ou usou tal nome, mas o governo japonês disse acreditar que o refém é mesmo Yasuda. Ele cobre conflitos de forma independente, já havia sido feito refém por extremistas em Bagdá, em 2004, durante a Guerra do Iraque.

Já o italiano Sandrini disse que a gravação está acontecendo em 19 de julho e afirma que é seu último pedido ao governo italiano.

Ele foi sequestrado na Turquia em outubro de 2016, antes de ser levado para a Síria, de acordo com reportagens da mídia italiana. Acredita-se que ele seja de Brescia e teria 32 anos.

(Com AFP e Reuters)

Últimas notícias Ver mais notícias