Cruz Vermelha confirma 50 mortes em bombardeio no Iêmen

Sana, 9 ago (EFE).- O chefe da delegação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) no Iêmen, Johannes Bruwer, confirmou nesta quinta-feira a morte de 50 pessoas em um ataque contra um ônibus que transportava crianças na cidade de Dahian, na província de Saada.

Bruwer informou pelo Twitter que são 50 mortos e 77 feridos, segundo autoridades locais que não identificou. Além disso, acrescentou que o hospital de Al Talh, que conta com o apoio da Cruz Vermelha, recebeu 30 mortos e 48 feridos, a maioria crianças.

"As crianças não devem pagar o preço de uma guerra de adultos", disse Bruwer em tweet.

Anteriormente, o porta-voz da Cruz Vermelha no Iêmen, Adnan Hazam, disse à Agência Efe que o hospital de Al Talh, situado perto da região do ataque, recebeu 29 corpos de menores com idades entre 10 e 14 anos, além de 48 feridos, entre eles 30 crianças.

"Pedimos a todas as partes para que tomem todas as medidas para manter os civis afastados (do conflito), não atacá-los e protegê-los", acrescentou.

O porta-voz do Ministério da Saúde do governo dos rebeldes houthis em Sana, Youssef al Hadari, informou que o bombardeio teve como alvo três ônibus, incidente que deixou 39 mortos e 43 feridos. Hadari explicou que as crianças estavam a caminho de um centro educativo de verão dependente do Ministério de Assuntos Islâmicos.

Enquanto isso, a coalizão liderada pela Arábia Saudita confirmou o ataque através de um comunicado de seu porta-voz, Turki al Maliki, que defendeu que se trata de "uma ação militar legítima contra os elementos que planejaram e fizeram o ataque contra civis na noite de ontem na cidade de Yazan".

Nesse ataque morreu um iemenita e outros 11 ficaram feridos, segundo a aliança que intervém no Iêmen contra os rebeldes houthis, que controlam Saada e outras zonas do norte e do oeste do país, inclusive a capital.

Últimas notícias Ver mais notícias