Rede de tráfico humano enviou pelo menos 300 africanos para serem mendigos na França

  • Juan Medina/Reuters

    Os imigrantes foram trazidos de países africanos e são explorados como mendigos na França

    Os imigrantes foram trazidos de países africanos e são explorados como mendigos na França

A polícia espanhola desmantelou uma rede de tráfico de migrantes que trazia africanos para atuarem como mendigos na França.

Para Sylvie O'Dy , presidente do Comitê Francês contra a escravidão moderna, trata-se de um esquema jamais visto. "Nós sabemos que isso existe. Que tem pessoas que são deixadas nas calçadas de manhã e retiradas à noite e que se não tiverem recolhido dinheiro suficiente sofrem maus tratos. Nós sabemos da existência dessa forma contemporânea de escravidão, mas nuna imaginamos que ela fosse tão ampla", declarou ela à RFI. Segundo O'Dy esses esquemas geralmente envolvem "uma, duas ou três pessoas, mas 350 é algo completamente inédito".

Ela destaca ainda que ainda há muito trabalho de investigação pela frente. "Agora tem um trabalho para encontrar quem explora essas pessoas e também as vítimas. É preciso acompanhá-las, dar cuidados médicos e psicológicos, dar comida e um lugar para dormir protegido para que encontrem seus direitos e sua dignidade", ressaltou.

A ação policial

A apreensão foi realizada  pela polícia espanhola em conjunto com a agência europeia de luta contra a criminalidade, a Europol, depois de mais de seis meses de investigação. Os 300 migrantes trazidos ilegalmente  para a França eram da Guiné, da Costa do Marfim, do Mali e do Senegal, todos países francófonos.

Tudo começou em janeiro passado, quando dois suspeitos foram presos na estação de ônibus de San Sebastian, na Espanha, perto da fronteira francesa. Eles aguardavam a chegada dos migrantes, que haviam chegado até a Espanha de barco.

Eles foram então levados para a França usando documentos de identidade falsos ou se passando por outros estrangeiros. Os imigrantes ficaram amontoados em um apartamento antes de serem enviados para a França de ônibus, trem ou com a ajuda de um motorista de táxi.

Últimas notícias Ver mais notícias