Polícia russa detém quase 300 contra reforma previdenciária, diz grupo de ativistas

Andrey Kuzmin e Andrew Osborn
Da Reuters, em Moscou

  • Sergei Karpukhin/Reuters

    Manifestações foram convocadas por grupo opositor ao presidente Vladimir Putin

    Manifestações foram convocadas por grupo opositor ao presidente Vladimir Putin

Milhares de simpatizantes do líder da oposição preso, Alexei Navalny, protestaram em toda a Rússia neste domingo (9) contra o plano de aumento para a idade de aposentadoria, com um grupo de direitos humanos dizendo que pelo menos 300 deles foram detidos pela polícia.

Os protestos foram um desafio para as autoridades que esperavam um alto comparecimento às eleições regionais, que também aconteciam neste domingo, apesar da ira generalizada com a mudança na aposentadoria.

"As autoridades não estão ouvindo as pessoas e isso significa que é hora de sair às ruas", disse a equipe de Navalny em um comunicado pré-protesto.

As mudanças propostas para a aposentadoria, que atualmente tramitam no parlamento, reduziram cerca de 15 pontos percentuais o índice de popularidade do presidente Vladimir Putin.

Elas são a medida governamental mais impopular desde o movimento de 2005 para acabar com os benefícios da era soviética, o que levou a protestos de aposentados em todo o país.

Navalny, expulso da TV estatal e impedido de concorrer com Putin à presidência no início deste ano, espera aproveitar a revolta pública contra a reforma.

Ele havia planejado liderar um protesto em Moscou neste domingo, mas um tribunal o condenou no mês passado por violar as leis de protesto e o prendeu por 30 dias.

Navalny disse que a medida foi planejada para atrapalhar os protestos ocorridos em 80 cidades, incluindo Moscou e São Petersburgo.

Últimas notícias Ver mais notícias