Evo Morales acusa EUA de usar luta contra o terrorismo para "invadir"

La Paz, 11 set (EFE).- O presidente da Bolívia, Evo Morales, acusou nesta terça-feira o governo dos Estados Unidos de usar a luta contra o terrorismo para "invadir" e impulsionar uma "corrida armamentista" global, ao lembrar os 17 anos dos atentados de 11 de setembro de 2001.

"Passaram-se 17 anos do atentado às Torres Gêmeas. Enquanto há americanos que sofrem com a perda de entes queridos, a Casa Branca, em nome da luta contra o terrorismo, usa este fato como desculpa para invadir, assassinar e impulsionar a corrida armamentista em escala global", escreveu Morales no Twitter.

O presidente boliviano, crítico do governo americano, advertiu que "já é hora de os cidadãos do mundo abrirem os olhos" e pediu que se oponham às guerras, "cujo único objetivo é a apropriação de recursos naturais".

"Na Bolívia fazemos um chamado para nos unir contra o capitalismo selvagem e levantar bandeiras de paz, irmandade e solidariedade", acrescentou.

Os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 deixaram quase 3 mil mortos, nos ataques contra as Torres Gêmeas em Nova York, o Pentágono, na Virgínia, e outro avião sequestrado que caiu em um campo vazio em Shanksville (Pensilvânia).

Últimas notícias Ver mais notícias