Pequim e Moscou desmentem grampear celular de Trump

Pequim, 25 Out 2018 (AFP) - Pequim e Moscou negaram nesta quinta-feira um artigo no New York Times em que o jornal afirmou que os serviços de espionagem chineses e russos ouviam as comunicações por celular do presidente americano Donald Trump.

A China inclusive sugeriu que, se os americanos tiverem dúvida, o Trump poderia usar para maior segurança um celular de fabricação chinesa.

O New York Times, que cita fontes oficias anônimas, afirma que os serviços secretos chineses e russos ouvem as comunicações de Trump que utiliza um iPhone da Apple e com base nisso ajustam sua política em relação aos Estados Unidos.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, satirizou essa informação, estimando que "alguns não recuam ante nada para obter o Oscar de melhor roteiro".

Como Trump costuma acusar o jornal, a porta-voz estimou que o artigo constitui "uma nova prova de fake news".

Dirigindo-se à administração Trump, a porta-voz acrescentou que, se os americanos temem que os telefones da marca Apple sejam ouvidos, "eles devem substituí-los por telefones Huawei", uma marca chinesa que se tornou a segunda marca mais importante do setor.

Por razões de segurança, as autoridades e militares americanas são proibidas de usar telefones Huawei.

E se os Estados Unidos quiserem maior segurança, "devem parar de usar meios modernos de comunicação e cortar todos os contatos com o mundo exterior", sugeriu a porta-voz.

Em Moscou, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, também questionou a credibilidade do New York Times e atribuiu essa informação "ao declínio dos padrões jornalísticos".

O New York Times não deu muitos detalhes sobre a suposta espionagem de Pequim e Moscou. Explicou apenas que as comunicações presidenciais foram interceptadas na rede de telefonia celular dos Estados Unidos.
Últimas notícias Ver mais notícias