Manifestações nos EUA pedem continuidade da investigação sobre a Rússia

Washington, 8 nov (EFE).- Centenas de manifestantes saíram às ruas nesta quinta-feira em várias cidades dos Estados Unidos para exigir que o governo de Donald Trump mantenha a investigação sobre a trama russa liderada pelo promotor especial Robert Mueller.

A demissão do até agora procurador-geral, Jeff Sessions, e a nomeação provisória em seu lugar de Matthew Whitaker, crítico de Mueller e da investigação, suscitou o temor de que o Departamento de Justiça cumpra finalmente com o desejo de Trump de encerrá-la.

Em Washington centenas de pessoas protestaram com velas no parque Lafayyete, em frente à Casa Branca, aos gritos de "ninguém está acima da lei", segundo constatou a Agência Efe.

Os manifestantes tinham um alto-falante tão potente que estas palavras de ordem podiam ser ouvidas da ala oeste da Casa Branca.

Uma das outras passeatas aconteceu em Nova York, onde centenas de pessoas se reuniram em Times Square.

O chamado nacional de várias plataformas e organizações também teve eco em Oakland (Califórnia), Boston (Massachusetts), Chicago (Illinois), Charlottsville (Virgínia), Chattanooga (Tennessee), Louisville (Kentucky) e Orlando (Flórida) entre muitas outras.

Trump pediu que Sessions se demitisse nesta quarta-feira após meses de tensão. O presidente nunca lhe perdoou por ter se afastado de tudo que está relacionado com a investigação da trama russa devido aos seus contatos com Moscou durante a campanha presidencial.

O presidente então nomeou Whitaker e lhe concedeu a autoridade para supervisionar as atividades do promotor especial Mueller, tirando-as do vice-promotor-geral, Rod Rosenstein, que tinha essa responsabilidade há um ano e meio.

Últimas notícias Ver mais notícias