Daniel Dias conquista 24ª medalha e se torna maior nadador paraolímpico

Do UOL, em São Paulo

  • REUTERS/Sergio Moraes

    Daniel Dias comemora recorde no Rio de Janeiro

    Daniel Dias comemora recorde no Rio de Janeiro

Daniel Dias entrou de vez para a história da natação paraolímpica. Neste sábado (17), nos 100 m livre, o brasileiro conquistou sua quarta medalha de ouro no Rio de Janeiro e, com um bronze no revezamento 4x100 m medley no final do dia, chegou a sua 24ª medalha paraolímpica, ultrapassando o australiano Matthew Cowdrey como o nadador masculino com maior número de pódios da história dos Jogos.

Até o revezamento, os nadadores estavam empatados com 23 conquistas. Daniel, no entanto, já possuía uma leve vantagem sobre Cowdrey, já que tem 14 ouros contra "apenas" 13 do australiano. Com os resultados desta noite, o brasileiro encerra sua participação na Paraolimpíada com nove medalhas. Foram quatro ouros, três pratas e dois bronzes.

Daniel, no entanto, ainda está muito atrás da maior paratleta da natação. Trischa Zorn, hoje com 52 anos, conquistou impressionantes 55 medalhas em sete edições de Paraolimpíadas.

Soberano nos 100 m livre

REUTERS/Sergio Moraes
Daniel Dias com sua quarta medalha de ouro da Paraolimpíada-2016

Daniel, que é o atual recordista mundial e paraolímpico da prova, completou os 100 m livre com o tempo de 1min10s11. Roy Perkins, dos Estados Unidos, e Andrew Mullen, da Grã-Bretanha, completaram o pódio com a prata e o bronze, respectivamente.

Recuperação incrível no revezamento

Daniel foi o responsável por abrir o revezamento brasileiro neste sábado. Contra nadadores com uma deficiência menor que a sua, ficou muito atrás e entregou para Ruan de Souza apenas na sétima posição.

O Brasil parecia, então, que ficaria fora do pódio, frustrando o recorde de Daniel. No entanto, com uma grande recuperação de André Brasil e Phelipe Rodrigues, responsáveis por fechar o revezamento, a equipe brasileira foi tirando a diferença para os rivais e conseguiu terminar com o bronze, na frente da Austrália. A China ficou o ouro, e a Ucrânia, com a prata.

Últimas notícias Ver mais notícias