"Com um robô-telefonista, me vinguei de empresa que não parava de ligar"

Helton Simões Gomes
Do UOL, em São Paulo

  • Getty Images/iStockphoto/Anastasiia_New

Uma empresa liga constantemente para você à procura de outra pessoa com quem pretende renegociar uma dívida. Antes mesmo de você tentar explicar que não está devendo na praça ou mesmo que aquele não é seu nome, a ligação cai. Pior: as tentativas telefônicas continuam seguindo o mesmo roteiro. O que você faria?

Gustavo Porto, desenvolvedor de sistemas de 27 anos que mora no Mato Grosso do Sul, resolveu colocar a mão na massa. Ele diz que depois de sofrer com essa situação durante mais de dois anos resolveu criou um robô que ligava sem parar de volta para a companhia. Resultado: a irritação foi tão grande que a empresa de cobrança entrou em contato, pediu para os retornos telefônicos cessarem e atendeu um apelo antigo: retirou o número de celular dele de seus cadastros.

VEJA MAIS:

O desenvolvedor conta que desde que se mudou para o Mato Grosso do Sul passou a receber ligações de uma recuperadora de crédito que trabalha para diversas instituições financeiras, como Itaú, Bradesco, BB e Caixa Econômica Federal. Companhias como ela adquirem carteiras de dívidas que bancos julgam difíceis de recuperar. A partir daí, passam a cobrar os inadimplentes e, em muitos casos, fazem muitas ligações. O Brasil já foi apontado como o terceiro país com mais spam em ligações.

A tal empresa procurava uma mulher chamada Adriana, mas só encontrava Gustavo. Ele diz que não era informado de qual empresa partia o telefonema errado e, quando tentava explicar que não era Adriana, desligavam na cara dele. Depois de um tempo, acostumou-se a ver aquele número e apenas não atender. Só que as investidas se intensificaram.

Essa empresa estava agressiva. Eles estavam me ligando das 5h40 às 21h. Ligavam sem parar. Eram três, quatro vezes seguidas e até de número diferente

Ele até tentou agir. Aproveitou que a empresa mandou um SMS contendo um número de WhatsApp e mandou um zap. Não obteve resposta, mas descobriu qual companhia era responsável pelas ligações - o nome dela estava na imagem de exibição no app. Achou o site e o telefone de contato e arriscou. Um atendente prometeu tirar o número dele da lista. Ainda assim, o celular continuou a tocar. E isso foi a gota d'água.

VEJA TAMBÉM:

Ele criou um robô-telefonista na quarta-feira (5). Longe de ser similar ao apresentado pelo Google, que é capaz de ligar para cabeleireiros e restaurantes para fazer reservas, o bot de Porto só pretendia encher o saco da empresa: era programado para ligar a cada 60 segundos; quando atendessem, deveria tocar um áudio em MP3 que repetia "alô" cinco vezes, e então desligar para recomeçar tudo de novo.

Pouco tempo depois, a empresa telefonou novamente, mas, dessa vez, porém, a linha não ficou muda.

Ligou um cara do departamento de TI achando que era erro. Eu disse que não era erro e falei: 'Vocês me ligam todo dia querendo falar com a Adriana. Agora, sou eu que quero ligar para Adriana'. Pediram para eu parar com isso porque eles não estavam conseguindo trabalhar

Ele só desativou o robô-telefonista depois de garantirem que não receberia mais ligações. Ao todo, seu bot fez 185 ligações, que somaram 7 minutos e 36 segundos de "Alô". "Desde então, não recebi mais as ligações. Resolvi um problema de mais de dois anos", comemora.

UOL Tecnologia entrou em contato com a empresa para confirmar a história, mas não teve retorno. 

A reportagem consultou Marco Aurélio Florêncio Filho, professor de direito do Mackenzie e sócio do escritório Florêncio Filho, para saber se a conduta de Porto poderia ser levada à Justiça. "Do ponto de vista criminal, não vejo crime ou contravenção."

O jurista explica que a conduta não pode nem mesmo ser enquadrado como perturbação de alguém no trabalho ou o sossego alheio, algo previsto pelo artigo 42 da Lei das Contravenções Penais.

Para tentar solucionar a dor de cabeça de outras pessoas, Gustavo hospedou o código de seu robô em duas plataformas para desenvolvedores. "Teve gente falando que já usou e funcionou. Já estão até pedindo por melhorias", brinca. E avisa: "Se outra empresa decidir me cobrar indevidamente, eu vou fazer a mesma coisa". 

Últimas notícias Ver mais notícias