Como funcionam as superprivadas asiáticas que deixam os turistas doidos

Gabriel Francisco Ribeiro
Do UOL, em São Paulo

  • Arte UOL/Getty Images

    As privadas presentes em países da Ásia deixam os turistas confusos

    As privadas presentes em países da Ásia deixam os turistas confusos

Se tem uma coisa que prova que os asiáticos estão muito à frente do nosso tempo, são as privadas que existem por lá. Sério. Se você conhece uma pessoa que já viajou ao Japão ou Coreia do Sul, pergunte a ela sobre seus momentos em um vaso sanitário. Provavelmente você nem precisará, já que normalmente os turistas voltam maravilhados e falantes sobre o tema.

Foi o meu caso no fim do último mês, quando visitei a Coreia do Sul a trabalho. A privada tecnológica cheia de botões é assustadora de início, mas deixa saudades quando voltamos para o Ocidente.

Veja também:

É comum os vasos sanitários da Coreia do Sul e do Japão terem diversas ferramentas eletrônicas, controladas por um controle cheio de botões. Entre as funções disponíveis, estão esquentar o assento, lavar e secar suas partes íntimas, controlar a descarga, perfumar o ambiente, mudar a pressão da água...

Como funciona?

Depois de passada a confusão com os botões, é inerente pensar: como essa maravilha tecnológica funciona e por que ela é tão desconhecida aqui no Ocidente?

No Japão, a tecnologia já se espalha por mais de 80% das casas e está inclusive em muitos banheiros públicos -- há quem diga até que o vaso sanitário já é responsável por 5% do consumo de energia das residências.

Não existe só um modelo de vaso sanitário tecnológico. Atualmente, diversas empresas vendem a engenhoca e com muitas opções de funções. A mais famosa é a japonesa Toto, com sua privada Washlet.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Assentos tecnológicos da Ásia contam com inúmeros botões

A principal função presente na maioria dos vasos sanitários tecnológicos da Ásia é o bidê embutido. Sim, ele solta água.

Esse recurso ocorre graças a um pequeno cano, que tem mais ou menos o tamanho e a espessura de uma caneta. Ao acionar o botão, o cano é ativado e passa a espalhar água para a sua região íntima suja.

Usar água para limpar a bunda é considerado, por exemplo, mais econômico e benéfico para a saúde do que papel higiênico.

Você aperta um botão e consegue controlar a pressão ou a temperatura da água -- o processo instantâneo é feito por um mecanismo eletrônico embutida dentro do vaso sanitário.

Existem medições que analisam a direção do jato de água para limpar diferentes regiões masculinas e femininas. O mesmo cano é usado para secar o que você acabou de molhar -- aí sai um jato de ar, que também pode ter a intensidade controlada por botões.

E diz aí: quem nunca quis sentar em um assento da privada quentinho no inverno?

A funcionalidade dos vasos sanitários japoneses pode variar entre diferentes modelos. Alguns usam a própria temperatura do corpo humano, mas a grande maioria conta com uma corrente elétrica que esquenta núcleos de carbono posicionados ao longo do assento. É possível ajustar a temperatura, e o aquecimento pode ser feito por uma bateria ou pela eletricidade da casa.

Outro detalhe que pode por fim a uma guerra dos sexos e melhorar 99% dos casamentos: os assentos possuem sensores de proximidade, que fazem a tampa e o assento levantarem ou abaixarem automaticamente. 

Indo além

Alguns vasos sanitários japoneses da Toto estão indo além do básico. Um modelo recente feito em parceria com uma construtora inclui um sistema construído no chão do banheiro capaz de analisar o nível de açúcar no sangue e pressão sanguínea, além de oferecer acesso à internet (e a seu médico) ou oferecer análise da urina, segundo o Engadget.

Os modelos mais modernos, inclusive, têm baseado-se mais na física e na química do que em eletrônicos, de acordo com a mesma publicação. Os vasos sanitários passaram a ser equipados com um revestimento feito de nanotecnologia no interior para se proteger de manchas ou de dejetos grudarem nele por um longo tempo após você dar descarga.

Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Usar privada na Ásia é assustador no começo, mas deixa turistas maravilhados

Alguns dos produtos mais recentes chegam até a eletrolisar parcialmente a água que sai da descarga. Isso não só adiciona um bônus antibacteriano a cada descarga como também dá um efeito de branqueamento nas manchas da urina.

Mais fácil para visitantes

Os assentos tecnológicos orientais já deixaram muito turista perdido -- acidentes com sustos pelo surgimento da água a até inundação do banheiro já foram relatados muito por conta do pouco costume para operar esses objetos. Mas isso ficou mais fácil recentemente.

Até visando os Jogos Olímpicos de 2020, que serão realizados em Tóquio, foi criado um padrão com figuras para tornar a leitura dos botões mais fácil para quem não tem ideia do idioma japonês. A ação envolve diversas fabricantes dos vasos sanitários tecnológicos.

Essa novidade, contudo, ainda não tornou as privadas high-tech populares aqui no Ocidente. É possível ver alguns dispositivos do tipo em poucos locais do hemisfério, principalmente em hotéis mais caros. Bem distante do que ocorre na Coreia do Sul e Japão, onde até banheiros públicos contam com o equipamento. Por aqui, nem sequer a estrutura dos banheiros é adequada para os produtos. 

A distância da tecnologia pode ter duas razões. Uma delas é cultural, já que o papel higiênico é muito mais aceito por aqui para limpeza do que na Ásia, e os orientais também são mais obcecados por limpeza. Outra pode ser mesmo o preço -- na Amazon, é possível encontrar modelos da Toto começando na casa dos US$ 400 (cerca de R$ 1.600).

É muito mais barato que um iPhone, vai.

Últimas notícias Ver mais notícias